Blog da JusCash

Insights, dicas e ferramentas para gestão financeira de advogados e escritórios de advocacia.


6 de outubro de 2022
Organização Financeira

Como se preparar para aposentadoria sendo advogado autônomo

Escrito por: Equipe JusCash

Escrito por: Equipe JusCash

Compartilhe nas redes:

Você já se perguntou se advogado autônomo precisa contribuir com o INSS? A resposta é sim! Entenda por que neste artigo.

É comum que os advogados orientem seus clientes a respeito das contribuições necessárias para a Previdência Social. Mas, será que esses profissionais tomam o mesmo cuidado quando o assunto é sua própria aposentadoria?

Além de todas as obrigações tributárias a que o advogado está sujeito para ficar em dia com o fisco, é preciso também dar uma atenção especial à questão previdenciária.

O cuidado e o planejamento da previdência devem ser feitos, inicialmente, para si mesmo. Por esse motivo, no artigo de hoje falaremos sobre a relação entre o advogado autônomo e a previdência social. Continue a leitura para saber tudo sobre o assunto!

O advogado autônomo e a previdência social

Para ter acesso aos benefícios da Previdência Social brasileira, apenas a inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) não é suficiente. Para que o profissional do Direito esteja protegido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), é preciso recolher a contribuição regularmente.

O advogado que exerce atividade remunerada é enquadrado como contribuinte obrigatório do INSS. Ou seja, essa não é uma contribuição facultativa, mas uma obrigação tributária destes profissionais.

O profissional que está inscrito regularmente como autônomo no INSS, mas não faz suas contribuições fica inadimplente e sujeito a juros. Se não estiver inscrito, comete infração fiscal. Além disso, nos dois casos, não tem acesso aos benefícios oferecidos pelo órgão.

Caso não realize a contribuição, o advogado autônomo estará sujeito a multa, juros e correção monetária. Além disso, o período em que o advogado deixou de fazer a contribuição não será considerado para fins de carência.

Como contribuir para o INSS sendo advogado autônomo?

O advogado autônomo possui três modalidades de contribuição do advogado à Previdência Social. São elas:

Advogado autônomo contribuinte 

Os profissionais autônomos que prestam serviços para Pessoas Físicas são considerados contribuintes individuais. Conforme o artigo 21 da Lei nº 8.212 de 1991, a alíquota de contribuição desse tipo de contribuinte deve ser de 20% sobre o salário de contribuição.

Saiba tudo sobre a Tributação do Advogado Autônomo: os principais tributos e alíquotas

A responsabilidade pela contribuição é do próprio advogado, bem como as penalizações caso não a realize. O pagamento deve ser feito no dia 15 do mês seguinte ao recebimento de sua remuneração por meio da Guia da Previdência Social (GPS).

Confira o passo a passo para fazer a contribuição sendo autônomo:

1 – No site da previdência, escolha a opção Contribuinte Individual;

2 – Preencha o número do NIT/PIS/PASEP e o código captcha;

3 – Revise e confirme seus dados na tela;

4 – Competência: Preencha com o mês de referência, no caso o mês anterior;

5 – Salário de Contribuição: A soma de todas as rendas do mês;

6 – Código de Pagamento: disponível na tabela do INSS;

7 – Confirme e selecione a guia;

8 – Gere a GPS e imprima.

Advogado autônomo prestador de serviço ou advogado empregado

Se o advogado autônomo prestar serviços para Pessoas Jurídicas, a contribuição ao INSS deve ser de 11% de sua remuneração, da mesma forma que o advogado empregado. O contratante é o responsável por recolher a contribuição. Caso isso não ocorra, o profissional não é prejudicado.

Contribuição sobre honorários

Os honorários decorrentes de ação judicial, mesmo quando sucumbenciais ou de advocacia dativa, também estão sujeitos à contribuição previdenciária.

Benefícios de contribuir para o INSS

Garantir o recebimento do benefício mensal durante a aposentadoria é a principal vantagem da contribuição para o INSS. Além disso, o advogado que contribui para a Previdência adquire o direito de receber auxílio-doença em caso de afastamento do serviço por motivo de saúde.

Confira os demais benefícios da Previdência Social aos segurados:

  • Aposentadoria por tempo de contribuição, idade, deficiência ou invalidez permanente;
  • Auxílio por incapacidade temporária;
  • Pensão por morte;
  • Auxílio-acidente;
  • Auxílio-reclusão;
  • Salário maternidade ou salário família;
  • Reabilitação profissional.

Alternativas à Previdência Social para a aposentadoria

Apesar da obrigatoriedade da contribuição, a Previdência Social pública não é a única alternativa para o advogado que quer garantir uma remuneração no futuro. Confira outras possibilidades:

1. Previdência privada

A Previdência Privada, também conhecida como Regime de Previdência Complementar, não está ligada ao INSS. Na verdade, é um produto de investimento pensado para ser um complemento da Previdência Social.

Nele, o beneficiário não fica sujeito às regras do INSS ou aos riscos de quebra da  Previdência Pública. Ao contrário, é possível construir sua própria reserva financeira por meio de um fundo de previdência e ver seu patrimônio crescer anualmente.

Ela funciona como um fundo de investimento, mas tem alguns diferenciais:

  • É necessário ter um período de acumulação, no qual são feitas as contribuições;
  • Também deve-se ter um período de usufruto, no qual o benefício será recebido;
  • O investidor pode escolher entre retirar o dinheiro de uma vez no final do período, fazer resgates parciais ou contratar uma renda, que funcionaria como a aposentadoria; 
  • A Previdência Privada tem benefícios fiscais como ausência de come-cotas e desconto no Imposto de Renda para alguns planos.

A Previdência Privada pode ser uma ótima aliada para complementar a renda dos advogados na aposentadoria. Contudo, na maior parte dos casos, é preciso fazer investimentos de forma consistente para construir uma boa reserva financeira.

Dessa forma, a serviço de antecipação de créditos judiciais da JusCash se mostra como solução para capitalização de advogados poderem investir no próprio futuro.

Saiba como antecipar seus créditos e receber em poucos dias o que levaria meses ou anos, clique aqui.

2. Investimento em renda fixa

Embora os rendimentos da renda fixa não sejam tão altos, é possível fazer alguns investimentos de longo prazo que lhe trarão bons retornos. Por exemplo, o Tesouro IPCA+. Esse investimento acompanha o rendimento da inflação mais uma porcentagem.

Atualmente, existem vestimentos dessa modalidade que vencem em 2026, 2035 ou 2045. É possível fazer simulações para entender o valor que será resgatado no futuro, além de compará-lo com outros investimentos.

Mas, nesse tipo de aplicação, o saque do dinheiro é feito todo de uma vez, e o investidor deve ter disciplina para separar a quantidade a ser usada mensalmente. 

3. Renda variável

Investir em renda variável também é uma boa opção para a aposentadoria. Isso porque, apesar das oscilações, a tendência é a valorização do dinheiro no longo prazo.

Além disso, há opções de investimentos que pagam dividendos mensais, o que pode ser uma boa alternativa para a aposentadoria. Além disso, com estudo, um bom planejamento e os altos rendimentos também é possível até pensar em se aposentar mais cedo.

Conclusão

O advogado autônomo é obrigado a fazer a contribuição para o INSS mensalmente. Essa é uma vantagem, pois além da aposentadoria, o profissional também conta com as coberturas para outras situações, como auxílio-doença e auxílio-maternidade.

Porém, existem outras alternativas para quem quer garantir um futuro mais seguro e tranquilo, como os investimentos em renda fixa e variável e a previdência privada. 

Continue acompanhando nossos conteúdos para entender como se planejar melhor para o futuro!

Confira as postagens mais acessadas

Planilha controle financeiro

Baixe grátis a nossa planilha de controle financeiro para advogados

Administrar as finanças de um escritório de advocacia pode ser uma tarefa muito complicada. Isso porque envolve divers
Continue lendo Continue lendo

Como se preparar para aposentadoria sendo advogado autônomo

Você já se perguntou se advogado autônomo precisa contribuir com o INSS? A resposta é sim! Entenda por que neste art
Continue lendo Continue lendo
Destaque de honorários contratuais

Destaque de honorários contratuais: o que é e qual a importância?

O destaque de honorários contratuais deve ser requerido pelo profissional do Direito ao longo do processo para evitar p
Continue lendo Continue lendo