Blog da JusCash

Insights, dicas e ferramentas para gestão financeira de advogados e escritórios de advocacia.


13 de março de 2024
Organização Financeira

Carnê-Leão: Advogado saiba o que é e por que é importante declarar [Atualizado 2024]

Escrito por: Equipe JusCash

carne leão para advogados declaração de imposto de renda

Escrito por: Equipe JusCash

Compartilhe nas redes:

Dessa forma, todo profissional que opta por atuar como Pessoa Física e prestar serviços para outras Pessoas Físicas deve preencher o carnê-leão. Isso inclui advogados, médicos, psicólogos, dentistas, etc.

Você sabe o que é carnê-leão? Esse documento é utilizado para a declaração e o recolhimento antecipado do IR para todas as Pessoas Físicas que recebem rendimentos de outras Pessoas Físicas.

Esse tema costuma levantar algumas dúvidas, como: o que é mais benéfico? Prestar serviços como Pessoa Jurídica ou recolher os impostos por meio do carnê-leão? É para te ajudar com essas e outras questões que criamos este conteúdo. Confira!

O que é e para quê serve o carnê-leão?

O carnê-leão foi instituído por meio do Decreto-lei nº 1.705, de 1979. De acordo com ele, todas as Pessoas Físicas que recebem rendimentos de outras Pessoas Físicas são sujeitas ao recolhimento antecipado do IR, desde que:

  • Não tenham vínculo empregatício;
  • A profissão seja legalmente regulamentada;
  • Ou a renda seja decorrente de locação, sublocação, arrendamento e subarrendamento de imóveis.

Esse documento de arrecadação mensal da Receita é voltado para os profissionais que recebem rendimentos não debitados na fonte. Os seguintes ganhos devem ser declarados por meio dele: pensão alimentícia, aluguel, pagamentos para serviços autônomos e outros. 

O carnê-leão é usado pelo governo como uma ferramenta de recolhimento mensal e obrigatório das operações que não são tributadas na fonte pagadora. Dessa forma, seu objetivo é controlar os tributos desses rendimentos e fazer com que o contribuinte permaneça regular com o Fisco.

Quem é obrigado a declarar?

A declaração do carnê-leão é obrigatória para quem recebe mais de R$ R$2.112,00 de outras pessoas físicas mensalmente. Até 2024, o limite era de R$ 1.903,98. A declaração deve ser feita até o último dia útil do mês seguinte ao recebimento do dinheiro.

Além disso, o preenchimento do carnê-leão deve ser realizado somente após a prestação de um serviço ou o recebimento de um rendimento sujeito ao carnê-leão, como: 

  • Pessoas físicas que recebem de outras pessoas físicas;
  • Rendimentos de pensões alimentícias;
  • Trabalho sem vínculo empregatício;
  • Valores recebidos do exterior;
  • Valores recebidos por meio de aluguéis de imóveis, etc.

Dessa forma, todo profissional que opta por atuar como Pessoa Física e prestar serviços para outras Pessoas Físicas deve preencher o carnê-leão. Isso inclui advogados, médicos, psicólogos, dentistas, etc.

Nesses casos, o profissional deve emitir recibos preenchidos com seu CPF para os clientes.

Como funciona o carnê-leão?

Por meio do carnê-leão, o profissional consegue fazer a escrituração eletrônica de seu livro-caixa. O livro-caixa é o registro de toda a movimentação financeira do trabalho do profissional que atua como Pessoa Física.

Todos os recibos emitidos para os clientes e as despesas mensais devem ser registrados nesse documento. Por exemplo, o advogado autônomo emite um recibo para seu cliente e faz o lançamento dos valores recebidos na ficha livro-caixa do carnê-leão.

Como calcular o carnê-leão?

O cálculo do carnê-leão segue a mesma lógica do Imposto de Renda das Pessoas Físicas. Confira um exemplo de cálculo:

Valor recebido de Pessoa FísicaR$ 3.000,00
Alíquota15% (terceira faixa do IR)
Valor multiplicado pela alíquotaR$ 450
Valor a deduzirR$ 354,80
Valor do imposto a ser pago (valor multiplicado pela alíquota com a dedução subtraída)R$ 95,20

Se o valor final for inferior a R$ 10, a Receita Federal não gera guia de pagamento do imposto.

Confira a tabela do imposto de renda Pessoa Física 2024 neste artigo!

Deduções

O carnê-leão permite que os profissionais autônomos lancem todas as despesas que têm para exercer sua atividade como Pessoa Física. Ao fazer isso, o profissional terá deduções sobre o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF), que é a guia de pagamento do imposto gerada após o preenchimento do carnê-leão.

Os seguintes itens podem ser dedutíveis:

  • Contribuição previdenciária pública;
  • Dependentes (R$ 189,59 por dependente a partir de 2021);
  • Pensão alimentícia nas normas do Direito de Família, quando em cumprimento de decisão judicial;
  • Todas as despesas escrituradas no livro Caixa podem ser deduzidas pelo trabalhador autônomo, leiloeiro, e titular de serviços notariais e de registro.

O que acontece se o advogado atrasar o carnê-leão?

O sistema do carnê-leão permite que o advogado preencha as informações mesmo após o vencimento da guia. Porém, é essencial não deixar acumular por muito tempo porque isso pode trazer algumas complicações.

Quando ocorre um atraso, o sistema gera um novo boleto com o valor atualizado, incluindo multas e juros. A multa é de 0,33% sobre o valor do débito do dia com um limite de 20%. Os juros são calculados com base na taxa Selic.

Após um ano de atraso, o advogado pode começar a ter problemas. Isso porque a Receita Federal começa a cruzar outras declarações de empresas e Pessoas Físicas, e qualquer desencontro de informações pode ser detectado.

Não cumprir os prazos de entrega pode ser considerado um início de omissão e sonegação junto à Receita Federal. Isso pode trazer gastos adicionais e problemas ao longo do processo de fiscalização das finanças do advogado autônomo.

Quem é isento de declarar o carnê-leão?

Pessoas Físicas que têm rendimentos vindos de Pessoas Jurídicas ou de outras Pessoas Físicas com as quais tenham vínculo empregatício não precisam declarar e pagar o carnê-leão. Porém, devem fazer a declaração de IR normalmente.

Quem declara o carnê-leão está isento de declarar o IRPF?

O carnê-leão serve como complemento à declaração anual de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). Dessa forma, o profissional autônomo deve calcular o valor do imposto todos os meses por meio do carnê-leão.

Na declaração anual, ele deve detalhar o cálculo no campo Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Física e do Exterior. Caso o contribuinte use o programa fornecido pela Receita Federal para os cálculos mensais, consegue importar essas informações para sua declaração anual.

Qual é a relação entre o carnê-leão e o IRPF para o advogado?

Ao declarar seu Imposto de Renda, o advogado autônomo deve informar os valores recebidos tanto de Pessoa Física quanto de Pessoa Jurídica. Os valores recebidos de contratantes por CPF são contabilizados por meio do Carnê-Leão.

Para declarar os valores recebidos de clientes Pessoa Física, o advogado deve:

  • Manter as declarações do Carnê-Leão em dia;
  • Pagar os impostos correspondentes aos valores recebidos mensalmente;
  • Importar os dados do Carnê-Leão diretamente para o formulário de declaração do IRPF.

Riscos de não declarar o carnê-leão

O principal e mais comum risco para o contribuinte é o de cair na malha fina. Se isso acontecer, o contribuinte deverá comprovar todos os rendimentos e despesas não declarados. Além disso, receberá uma multa com valor entre 20% a 150% do imposto devido.

Se o contribuinte sonegar o imposto, ele também poderá ser processado por evasão fiscal. A pena é de dois a cinco anos de prisão, conforme previsto na Lei 8.137/90, que trata dos crimes contra a ordem tributária do país.

Além disso, a sonegação compromete o fluxo de caixa do seu escritório e pode trazer grandes riscos. Em situações mais extremas, a Justiça pode determinar que a pessoa arque com todas as despesas, podendo até ter os bens penhorados.

Perguntas frequentes sobre o Carnê-leão

Qual o valor mínimo para o advogado pagar o Carnê-leão?

O advogado que recebe mais de R$2.112,00 por mês de Pessoas Físicas deve declarar e recolher o carnê-leão mensalmente.

Quem paga o carnê-leão tem que declarar o imposto de renda?

Sim, quem paga o carnê-leão tem que declarar o IRPF. Porém, o imposto pago todos os meses por meio do carnê-leão é abatido do valor do imposto de renda anual. Dessa forma, é possível reduzir o valor a ser pago ou aumentar a restituição do imposto.

Como declarar carnê-leão no imposto de renda?

Os sistemas da Receita Federal são integrados. Por isso, os dados registrados para o recolhimento do Carnê-leão aparecem automaticamente na declaração de imposto de renda de quem opta pela declaração pré-preenchida.

Conclusão

O carnê-leão é um documento que serve para registrar todas as movimentações e fazer o recolhimento antecipado de IR dos profissionais que atuam como Pessoa Física e prestam serviços para outra Pessoa Física sem vínculo empregatício.

Para evitar multas e sanções, o advogado autônomo deve ficar muito atento à entrega dessa obrigação fiscal. Além disso, pode aproveitar o benefício de deduzir suas despesas do cálculo final do IR a ser pago.

Fale com os especialistas da JusCash e descubra como manter suas contas em dia, mesmo sendo advogado autônomo!

Confira as postagens mais acessadas

Planilha controle financeiro

Baixe grátis a nossa planilha de controle financeiro para advogados

Administrar as finanças de um escritório de advocacia pode ser uma tarefa muito complicada. Isso porque envolve divers
Continue lendo Continue lendo

Como se preparar para aposentadoria sendo advogado autônomo

Você já se perguntou se advogado autônomo precisa contribuir com o INSS? A resposta é sim! Entenda por que neste art
Continue lendo Continue lendo
Destaque de honorários contratuais

Destaque de honorários contratuais: o que é e qual a importância?

O destaque de honorários contratuais deve ser requerido pelo profissional do Direito ao longo do processo para evitar p
Continue lendo Continue lendo